S03-01

S03-01

Pós-verdade: estágio supremo da pós-modernidade

Em 2016, a Oxford Dictionaries elegeu pós-verdade (post-truth) como sua palavra do ano, definindo-a como significante para “circunstâncias em que os fatos objetivos são menos influentes em formar a opinião pública do que apelos à emoção e à crença pessoal”. Embora o termo já fosse empregado anteriormente, o ano de 2016 registrou um crescimento de 2.000% no uso da palavra em inglês. Aquele ano ficaria marcado pelo referendo sobre o Brexit e pela eleição de Trump à Presidência dos Estados Unidos. Ambos os episódios registraram a disseminação em massa de fake news, um dos traços marcantes da nova paisagem epistemológica que se convencionou denominar pós-verdade.

A era da pós-verdade traz à tona um novo equilíbrio epistemológico, caracterizado pela indiferença à verdade em sua dimensão factual. Mudanças na ecologia comunicacional foram, sem dúvida, fatores determinantes do fenômeno. Porém, ainda mais decisivas foram as transformações no panorama cultural mais amplo. Voltando-se ao aprofundamento dessa hipótese, este trabalho pretende correlacionar os conceitos de pós-verdade e pós-modernidade, mostrando o quanto a era da pós-verdade é tributária do enraizamento e da metástase do pensamento pós-moderno.

O termo pós-modernidade designa uma etapa histórica marcada pelo predomínio de teorias irmanadas no relativismo cognitivo e na negação dos valores universalizantes da modernidade. A nova ambiência é frequentemente associada “a um abandono do projeto iluminista de crítica racional” (Edgar; Sedgwick, 2008). Em seu livro A condição pós-moderna, Jean-François Lyotard afirma que a tendência pós-moderna refere-se às “transformações que afetaram as regras dos jogos da ciência, da literatura e das artes a partir do final do século XIX” (2009: XV). Esse processo teria resultado no descrédito das metanarrativas – as grandes racionalizações que sustentaram a filosofia desde o Iluminismo. Para Lyotard a filosofia não passa de um “discurso de legitimação”.

Vivenciamos, em tempos pós-modernos, uma nova era discursiva, marcada pela recusa das utopias e dos grandes projetos saneadores – classificados como nada além de narrativas socialmente interessadas. Utilizando-se do ceticismo, da ironia e da fragmentação, os pensadores pós-modernos contribuíram para o estilhaçamento de noções como verdade e realidade objetiva. Ao solapar as bases do moderno racionalismo, a pós-modernidade abriu caminho à dissolução dos valores do Iluminismo e à irrupção da era da pós-verdade. Parafraseando um conhecido pensador marxista, podemos afirmar que a pós-verdade é o estágio supremo da pós-modernidade – o momento em que o pensamento pós-moderno atinge a plenitude do senso comum. Esse processo traz consequências para muitas instituições, entre elas o jornalismo.

Palavras-chave: pós-verdade; pós-modernidade; epistemologia; jornalismo.

Firmantes

Nombre Adscripcion Procedencia
Fábio Palácio de Azevedo Universidade Federal do Maranhão Brasil
Cristiano Capovilla Luz Universidade Federal do Maranhão Brasil

ORGANIZA

COLABORA