S02-23

S02-23

Imagens de transição: uma comparação entre a representação das mulheres negras na série brasileira “Coisa mais linda” e no poema “Vozes-mulheres” da escritora Conceição Evaristo

O presente trabalho propõe comparar representações de mulheres negras em duas obras contemporâneas: a primeira temporada da série brasileira “Coisa mais linda” e o poema da escritora e ativista negra brasileira Conceição Evaristo, de “Poemas de recordação e outros movimentos”. O objetivo desta análise comparativa é reiterar a importância da imagem e da representação para as lutas das mulheres negras, como afirmam as feministas negras Lélia Gonzalez e bell hooks – vozes teórico-críticas destas lutas. Além de problematizar a representatividade nesse contexto, revelando a necessidade de uma construção estética, ética e política das representações e imagens dos grupos subalternizados. Uma vez que, segundo estas autoras, as representações deveriam ser sempre subversivas, ou seja, ser esteticamente inovadoras e eticamente localizadas, para que politicamente tenham potencial de promover uma revolução dos imaginários ao apresentar caminhos para outras formas de existência. A metodologia do trabalho se inicia com uma descrição dos pontos fundamentais de cada obra; em seguida, faz-se uma seleção das imagens a serem analisadas pelas teorias feministas propostas e, por último, uma síntese dos pontos de aproximação e distanciamento, que permitem desenvolver, por uma via intersemiótica, a comparação entre as diferentes linguagens artísticas. A série forneceria elementos para pensar os limites das representações – a presença de estereótipos, a romantização dos grupos subalternizados, a utilização de narrativas da história “oficial”, que invizibilizam (ou higienizam) as condições de vida e os saberes não hegemônicos – e das formas de representatividade que se comprometem mais com exigências do mercado audiovisual do que com a importância política da imagem. O poema apresentaria elementos para subsidiar a reflexão sobre como realizar a criação de imagens ou representações potentes, que proporcionem uma representatividade crítica e instrumentos para a luta e a transformação social do grupo representado. Em suma, pensando no papel determinante das diferentes linguagens artísticas e comunicionais para a construção de identidades e para o (auto)reconhecimento das mulheres negras, propõe-se uma discussão sobre a responsabilidade na criação de representações de grupos historicamente subalternizados, apresentando como exemplo o que Evaristo realiza em sua linguagem estética, ao criar imagens de transição, capazes de revelar como se dá o movimento entre formas de existência. Ou seja, ao não se restringir nem a imagens negativas ou estereotipadas nem a imagens positivas ou romantizadas, ela (re)constrói o movimento histórico de mulheres negras que são capazes de, a partir de seus lugares de opressão e de suas vivencias, legar a liberdade.

Palavras chave: Representação; Subalternos; Feminismo (negro); Representatividade; Filosofia política; Narrativas.

Firmantes

Nombre Adscripcion Procedencia
Gigliola Mendes Universidade de Brasília Brasil

ORGANIZA

COLABORA