S02-20

S02-20

CARTOGRAFIAS DO BRASIL CONTEMPORÂNEO: Problematizações ético-estético-políticas sobre práticas ciberculturais de movimentos ultraconservadores

RESUMO

As tecnologias digitais em rede vêm reconfigurando as práticas culturais. Para alguns autores trata-se de pensar numa cultura outra, a saber: cibercultura (Lévy). Para outros e em direção não oposta sociedade do controle (Deleuze) ou sociedade das telas (Lipovetsky e Serroy). Nessa reconfiguração cultural em rede, temos presenciado uma retoma da extrema-direita e grupos ultraconservadores em escala local e global e, com ela, a emergência de movimentos e práticas de viés fascista. As práticas em questão ganharam novas interfaces, dado que são operacionalizadas por sistemas comunicacionais que possibilitam a comunicação todos-todos, diferentemente de outrora, em que o rádio, a TV e o cinema, sistemas de comunicação unidirecionais, um-todos (eram os meios utilizados, por exemplo, pela/na propaganda fascista). Em nosso contexto, no Brasil contemporâneo, governado por um representante de ultradireita, não é diferente, é possível observar que a rede se tornou um espaço para intensa produção de reinvindicações de privilégios por determinados grupos identificados muitas vezes com movimentos ultradireitistas e até mesmo fascistas. São reinvindicações que desejam um ideal normativo de sociedade, sobretudo assujeitada à branquitude, heteropatriarcado e fundamentalismo religioso (Butler; Pocahy; Akotirene). Esse desejo de norma tem nos levado a problematizar sobre a possibilidade de questionarmos desde miradas ético-estético-políticas (Foucault) a assunção dos ditos homens de bem (Demier) – representantes dessa nova ordem moral, econômica, racial, sexual e de gênero. O enfraquecimento das forças democráticas é observado na exigência de privilégios de determinados grupos e precarização/extermínio/apagamento da existência de outros, notadamente aqueles marcados como a diferença. A presente problematização toma como território de análise as políticas do desejo molares e moleculares partilhadas diariamente por esses grupos ultraconservadores e fascistas (Deleuze e Guattari), as quais têm calcificado ideias de uma moral (do bem), se assim podemos dizer. Para pensar esse novo regramento moral abrimos interlocuções a partir de experimentações cotidianas que marcam o nosso cenário, principalmente as práticas e os discursos odiosos reverberados diariamente pelas redes digitais. Para isso, nos movimentamos nas discussões dos princípios ético-políticos-estéticos da cartografia (Deleuze e Guattari) apoiados em ferramentas conceituais de discurso e de enunciado (Foucault). Como desdobramentos das análises dessa cartografia em rede, destacamos que a noção de ´homem de bem´ enunciada por esses grupos corrói as possibilidades do laço democrático, uma vez que, apostamos, quando maior o lastro da democracia popular e participativa, maior o campo de possibilidade de expansão dos fluxos e espaços de diferenciação (Pocahy) e, consequentemente, a liberdade e emergência de outras formas de existi no mundo, com o mundo. Nossas análises baseiam-se em recortes empíricos de publicações públicas nas redes sociais e, com elas, evidenciamos algo do jogo da produção de jogos de verdade, tais quais aqueles que, como anunciamos, enaltecem a figura dos ´homens de bem´.

PALAVRAS-CHAVES: Ética; Política; Democracia; Movimentos ultraconservadores; Fascismo; Cibercultura; Cartografia.

Firmantes

Nombre Adscripcion Procedencia
Felipe da Silva Ponte de Carvalho Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil
Fernando Altair Pocahy Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil

ORGANIZA

COLABORA